Postagem em destaque

Quarta Colônia Italiana do RS

sábado, 27 de setembro de 2008

O SOBRENOME RORATO

A ORIGEM DOS SOBRENOMES 

Os cognomes, apelidos, sobrenomes ou nome de famílias já eram utilizados na antiguidade, os romanos possuíam um sistema próprio de distinguir uma pessoa de outra e por outros apostos a ele.
Pela história desse povo, julga-se que esse sistema tenha surgido em épocas remotas e que já fosse de uso comum logo após o início da expansão do poderio de Roma. Os romanos possuíam um sistema pelo qual identificava no nome do indivíduo qual seu clã de origem. Foi a primeira forma de se identificar um grupo familiar específico, porém, com a queda do Império Romano em 476 a.C. este sistema virtualmente deixou de existir, caindo em desuso.
Na idade média (476-1453) passou, pois, a vigorar tão somente o nome de batismo para designar, distinguir e caracterizar as pessoas. Fala-se em nome de batismo porque, na época da queda do Império Romano Ocidental, a península itálica já era praticamente toda cristã. Por outro lado, os povos invasores foram cristianizados em massa no período que se segue à desagregação do Império. O cristianismo se tornou um elemento aglutinador que aproximou todos estes povos.
O estabelecimento de vários povos estrangeiros introduziu uma grande variedade de nomes e palavras que paulatinamente foram sendo latinizadas. Salienta-se que os povos estrangeiros não possuíam a tradição da sobre nominização das pessoas, fato este que influiu sistematicamente no abandono de tal costume.
O aporte de grande acervo de novos nomes, trazidos pelos povos invasores, principalmente germânicos, o abandono da sistemática latina de individualizar pessoas, a influência do cristianismo que difundia os nomes de seus mártires e santos, criaram uma confusão generalizada. Os nomes se repetiam com freqüência o que tornava difícil distinguir um indivíduo do outro.
Surgiu então a necessidade de se estabelecer uma modalidade para se distinguir um cidadão do outro, para tal finalidade foram criados algumas fórmulas que auxiliavam em tal distinção.
Na verdade, não foram estabelecidas normas baixadas por autoridades, mas sim o surgimento de um modo espontâneo na pena do escrivão, no convívio social e na linguagem popular que inventava formas para distinguir os dez ou vinte Johannes (João) que viviam na mesma comunidade.
Os primeiros registros do uso de sobrenomes familiares como hoje os conhecemos, foram encontrados por volta do século VII, ou seja, após o ano 701 d.C.
Na Inglaterra, por exemplo, só passaram a ser usados depois de sua conquista pelos normandos, no ano de 1066. Foi só no início do renascimento que os cognomes voltaram a ter aceitação geral.
No ano de 1563, o Concílio de Trento concretizou a adoção de sobrenomes, ao estabelecer nas igrejas os registros batismais, que exigiam, além do nome de batismo, que teria de ser um nome cristão, de santo ou santa, um sobrenome, ou nome de família. (Texto da Internet:http: //www. familiagirotto.htp.ig.com.br/curiosidades.htm)
Os sobrenomes nasceram pela necessidade de distinguir as pessoas. Nas antigas aldeias moravam poucas pessoas e assim para distinguir-se era suficiente o nome: Pietro, Giovanni, Maria..., pois na mesma aldeia tinha somente um Pietro, uma Maria...
Mas o número de pessoas foi aumentando, assim foi necessário acrescentar algo mais para se distinguir, pois na mesma aldeia já se repetiam nomes: dois Pietro... Então se acrescentou ao nome, o nome do pai, exemplo: Pietro di Giovanni (Pietro filho de Giovanni).
Mas as aldeias continuavam a crescer e as mais importantes já tinham uma igreja. No domingo, após a missa as pessoas encontravam-se para conversar. Perceberam que não era mais suficiente dizer "Pietro de Giovanni", pois havia nas localidades duas ou mais pessoas que se chamavam Pietro e eram filhos de Giovanni. Então, junto com o nome ao invés do nome do pai, acrescentavam:A) Origem de "Patronímico". São os sobrenomes que têm origem do nome de um antepassado. Esse antepassado que se chama o "capostipite": o primeiro que deu o sobrenome a toda a família. Lorenzi é um desses sobrenomes e o significado é "Filhos de Lorenzo", o capostipite dessa família chamava-se Lorenzo. Também Bortolotto é um destes sobrenomes e o significado è "grosso/grande Bortolo", o sobrenome do capostipite era Bortolo e seguramente era um homem grosso/grande.B) Origem de "Toponímia". São os sobrenomes que têm origem de lugares, exemplo "Vicentini" é um sobrenome que tem origem de Vicenza o significado é "Pessoas que chegam de Vicenza". Fontana é um destes sobrenomes e o significado é "Pessoas que moram perto da fonte/chafariz/manancial". Também Dal Pozzo é um destes sobrenomes e o significado é "Família que mora perto do poço" ou Pietro Dal Molin que significa “Pedro que chega do moinho".C) Origem de "Profissão". São os sobrenomes que têm origem de ofícios. Como Dalle Mole, o significado é "Família que faz as pedras molar" ou Muraro que significa "pedreiro" ou Munaro que significa "moleiro". D) Origem das "características corpóreas", são sobrenomes que tem origem de algumas características físicas das famílias "capostipite", um destes é Rossi, o significado é “pessoas que tem cabelos rubros ou vermelhos”.Disponível em < http://www.familiabortoletto.com.br/ > acessado em 24 de dezembro de 2005.

O SOBRENOME RORATO 

O sobrenome  RORATO  Em 18 de julho de 2005, recebo um e-mail de Cláudio Rorato, sobr la origene del cognome Rorato.Veja o e-mail na integra:“La famiglia Rorato è di origine veneta e precisamente del distretto di Oderzo in provincia di Treviso ( Fossalta Maggiore,Chiarano, Cavalier, Motta di Livenza, Gorgo, Ponte di Piave) I documenti più antichi che la riguardano risalgono al XVI secolo. Il cognome è un fitonimo e deriva da "roro" che in veneziano antico significa quercia. Secondo una consuetudine veneta i Rorato avevano anche un sopranome che era "Agnolin" e significa Angelino un diminutivo del nome Angelo.L'accrescitivo "Rorato" o "Rorat" si riferisce ad una pianta di quercia antica e ragguardevole per dimensione. La storia ricorda come gli antichi Veneti, che erano un popolo pre romano, venerassero queste querce colossali e le considerassero sacre. Molti Rorato emigrarono dall'Italia a partire dal 1800 e oggi questo cognome è poco diffuso. Saluti da Claudio Rorato”.
Tradução:
"A família Rorato é de origem vêneta precisamente de Oderzo, distrito da província de Treviso (Fossalta Maggiore, Chiarano, Cavalier, Motta di Livenza, Gorgo, Ponte di Piave). Os documentos mais antigos, que dizem respeito são relacionados ao século XVI. O sobrenome é um fitonimo e deriva de "roro", que em Veneziano antigo significa carvalho. De acordo com a tradição veneta Rorato também o que tinha apelido de "AGNOLIN" que significava Angelino um diminutivo do nome Angelo. O aumentativo "Rorato" ou "Rorat" refere-se a uma planta antiga de carvalho de dimensão colossal e considerado sagrado. A história lembra a forma como o antigo Veneziano, que tinha um povo pré-romano, estes veneráveis carvalhos colossais se consideravam sagrados. Muitos Rorato emigrou da Itália desde 1800 e hoje este nome não é muito difuso”.
Rorato, tipico del trevisano, di Cessalto, Chiarano, Salgareda e Motta di Livenza e di Noventa di Piave nel veneziano, dovrebbe derivare da una forma patronimica veneta in -ato di modificazioni dell'aferesi di nomi come Gasparo.
Os que assinam Rorato, com “tt”, acontece muito no Sul do Brasil, é apenas um erro de escrita em cartório de registro. Existem membros da mesma família com as duas nomenclaturas. No entanto, o correto é Rorato, com “t” mesmo, o que acontece atualmente em todo território italiano, francês e parte do brasileiro, onde se concentra o maior números de famílias com este sobrenome.Ser Rorato é um bom motivo de orgulho, mas quando começam a inventar algo parecido com nosso sobrenome, você não imagina a raiva que dá. Olha só, principalmente quando se faz um cadastro ou coisa parecida, e perguntam meu sobrenome. Aparecem com cada criação. Por vezes tem que desabafar. Aí você diz a eles. Não! Eu sou Rorato e preciso soletrar R-O-R-A-T-O. Que nada. Veja só. Em cartórios antigos, no momento dos registros começou a aparecer Roratto, é sim, com do tt. É verdade. Na Itália não existe este sobrenome com "tt". E, tem mais. Veja só mais variações por conta dos erros..., Rorrato, Rurato, Ruratto. Pode?
No livro "A Família de César e Maria Helena Rorato Trevisan", do Padre Vítor Trevisan , este autor relata: Os antepassados mais antigos da família Rorato (grafado Rorat) datam dos anos 12201400.
Seu brasão revela uma linhagem de cidadãos que viveram entre Alemanha e Suíça.
Os antepassados, mais ou menos no século XIX em diante, referem-se a família Rorato, como originária de Chiarano-Treviso-Veneto.
A família Rorato veio para o Brasil, também com o apelido de “agnolin” (lê-se anholin) ou, em dialeto vêneto “anhuini” .
Diz a tradição que era uma família muito graande com até 40 pessoas, bem unida em torno dos avós. Contavam que uma família unida, pois, os avos moravam com 4º pessoas, num castelo, administrados por uma matrona, que aos domingos, entregava a cada homem, os “quatrini” (dinheiro) para a sagra. É possível que esta matrona fosse a Maria Gottardo, casada com Ângelo Rorato. Maria veio para o Brasil com os filhos, morreu em Vale Veneto (28/10/1889) e esta sepultada no Cemitério Velho. Era de 1819.

Rorato è tipico del trevisano, di Cessalto, Chiarano, Salgareda e Motta di Livenza e di Noventa di Piave nel veneziano, Roratto, quasi unico, dovrebbe essere una forma alterata del precedente, che dovrebbe derivare da una forma patronimica veneta, dove il suffisso -atostarebbe per il figlio di, riferito a capostipiti i cui padri si fossero chiamati con modificazioni dell'aferesi di nomi come Gasparo, non si può escludere comunque una derivazione dalle voci trevigiane rore o dal più arcaico roro che identificano per contrazione il rovere o quercia, in questo caso il suffisso indicherebbe provenienza e starebbe ad indicare che la zona d'origine dei capostipiti fosse ricca di questo tipo di piante.
integrazioni fornite da Claudio Rorato
La famiglia Rorato è di origine veneta e precisamente del distretto di Oderzo in provincia di Treviso (Fossalta Maggiore, Chiarano, Cavalier, Motta di Livenza, Gorgo, Ponte di Piave ecc.) uno fra i documenti più antichi che la riguardano è il catasto trevigiano del 1514 (Arch. Stato Treviso). Il cognome è un fitonimo e deriva da roro che in veneziano significa rovere, quercia. L’accrescitivo Rorato o Rorat si riferisce ad una pianta di quercia antica e ragguardevole per dimensione. La topografia locale registra diverse strade denominate Via Roro, Rorato, Rorat La storia ricorda come gli antichi Veneti venerassero queste querce colossali e le considerassero sacre. Secondo una consuetudine veneta i Rorato avevano anche un sopranome che era ‘Agnolin’ cioè Angelino, un diminutivo del nome Angelo. Molti Rorato emigrarono dal Veneto a partire dalla seconda metà del ‘800 e oggi questo cognome è poco diffuso. Bibl. Vedi: Michele Zanetti, “Boschi e alberi della pianura veneta orientale nella storia naturale, nel paesaggio, nel costume contadino” ed. Ediciclo, 1985.

2 comentários:

MarceloRorato disse...

Sou Rorato e venho dos Rorato de Cândido Motta interior de São Paulo sendo meu avó paterno Orlando Rorato.

Paula disse...

Sou Rorato, moro em São Paulo, mas na cidade de Campo Mourão e Ararura /PR estão todos os meus tios e avós que vieram da Itália, alias irmãos dos meus avós estão tdos lá e a descendencias, formam um grande número de Roratos. Sou neta de Durval Rorato, irmão de Pedro Rorato, Luiz Rorato e a minha bisavó está enterrada em Araruna.Temos fotografias deles todos. se interassar pra alguém acessem meu e mail - paulinha.fany@hotmail.com